Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

loader image

Mutirão ‘Registre-se!’ atende 100 mil pessoas em quatro dias

Cerca de 100 mil brasileiros já foram atendidos pela campanha Registre-se!, a Semana Nacional do Registro Civil. O primeiro balanço parcial da campanha, publicado nesta sexta-feira (12/5), mostrou que o empenho intensivo das equipes de tribunais e cartórios espalhados pelo Brasil resultou no atendimento de cerca de 100 mil pessoas para a solução das mais variadas pendências: CPF, cadastro único, título de eleitor, certificado de reservista, entre outros.

Campanha Registre-se! já atendeu 100 mil brasileiros em quatro dias

Chico Batata

Na emissão de certidões de nascimento, o balanço parcial indica que 6.810 brasileiros já receberam o documento e podem atender a uma exigência básica da sociedade: comprovar formalmente a própria existência para responder pelos seus deveres e ter acesso a seus direitos.

Outras 11.894 pessoas compareceram aos postos de atendimento, registraram as suas solicitações e estão à espera da emissão do documento.

A primeira edição da campanha, uma iniciativa da Corregedoria Nacional de Justiça em nome da cidadania, quer enfrentar o problema do sub-registro no Brasil.

“Vimos que o esforço concentrado dos tribunais, das corregedorias, dos cartórios, dos serviços sociais e das lideranças comunitárias foi fundamental para conscientizar e chamar a atenção para esse problema”, avalia o corregedor Nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão. “Sem documento, não há cidadão, e uma parcela significativa da sociedade fica invisível para o Estado.”

O CNJ leva adiante a ‘Registre-se!’ para ampliar o acesso à documentação civil básica, com enfoque especial na identificação formal da parcela socialmente vulnerável – pesquisa indica que há 3 milhões de pessoas sem documentos no país.

Com a certidão de nascimento na mão, os moradores de rua, por exemplo, ganham condições para atender a uma exigência básica que permite pleitear benefícios das políticas sociais que o governo federal e as unidades da federação praticam.

Essas pessoas passam também a ter condições de buscar qualificação profissional e de se apresentar para um emprego com contratação formal.

O balanço parcial feito pelo CNJ considera os quatro primeiros dias de atendimentos e permite destacar o resultado da campanha no Amapá.

As equipes que trabalharam nesse estado da região norte, com população equivalente a 0,4% do país, conseguiram a emissão de 13,14% de todas as certidões de nascimento até o fim do expediente da quinta-feira (11/5), ou 1.563 de todos esses atendimentos.

Em Pernambuco, onde vivem 4,4% dos habitantes do Brasil, as equipes que atuaram no Registre-se! entregaram 1.211 certidões, ou 10% do total. No Distrito Federal, onde a meta diária era a entrega de 300 unidades em dois pontos de atendimento, 1.066 pessoas já têm, na mão, a folha de papel timbrado com o brasão da República.

Em Brasília, onde a prestação de serviços públicos serve como referencial de comparação para todo o país, quando uma pessoa busca ajuda da assistência social para conseguir a emissão da certidão de nascimento, o prazo usual para recebimento do documento costuma ser de seis meses.

A rotina para atendimento dessas demandas depende de pesquisas, de contatos entre secretarias de estado, das solicitações a cartórios, da emissão e, por fim, do envio do documento pelo correio. E, como os moradores de rua são uma população nômade, é frequente o autor do pedido não mais ser encontrado para receber, depois de tanto tempo, a encomenda que fez.

A Semana Nacional do Registro Civil – Registre-se! está prevista no Provimento 140/2023 do CNJ. De acordo com o normativo, a campanha será anual, com realização prevista sempre para a segunda semana do mês de maio. Mas a Corregedoria Nacional da Justiça considera a repetição da iniciativa já no segundo semestre de 2023.

“Houve uma preparação grande, de toda a estrutura do Poder Judiciário, dos registradores, das pessoas que trabalharam na divulgação, dos meios de comunicação para fazer essa boa notícia chegar a todos vocês, um trabalho que pode mudar para melhor a vida de muita gente”, disse o ministro Salomão sobre a primeira edição.

“Os resultados do balanço parcial têm a ver com o esforço de muita gente, pessoas que trabalham incessantemente nos bastidores para que isso se tornasse uma realidade”, concluiu. Com informações da Agência CNJ de Notícias.

Consultor Júridico

Facebook
Twitter
LinkedIn
plugins premium WordPress

Entraremos em Contato

Deixe seu seu assunto para explicar melhor