Paulo H. Carvalho/Agência BrasíliaDefesa apresentou laudo psiquiátrico que indica estado emocional ‘se deteriorando’

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, deu nesta sexta-feira (28/4) prazo de 48 horas para que o secretário de Administração Penitenciária do Distrito Federal informe se o ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança do DF Anderson Torres pode continuar preso no Batalhão de Aviação Operacional da Polícia Militar ou se é mais conveniente sua transferência para hospital penitenciário.

O ex-ministro está preso preventivamente desde 14 de janeiro. Ele é investigado em inquérito que apura a responsabilidade de autoridades nos atos golpistas ocorridos em Brasília em 8 de janeiro.

Em manifestação apresentada nesta sexta, a defesa de Torres afirmou que a apresentação de senhas erradas à Polícia Federal para acesso a arquivos em plataformas de armazenamento de dados na internet (nuvem) pode ter ocorrido “em razão de comprometimento cognitivo dado o seu quadro psíquico alterado”.

A defesa ainda apresentou laudo psiquiátrico assinado por uma médica da rede pública de saúde do DF informando que, mesmo com a prescrição de remédios, o estado emocional do ex-secretário estava “se deteriorando gravemente”. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

Clique aqui para ler a decisão

Inq 4.923

Consultor Júridico