Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

loader image

Doenças são principal causa das mortes nas prisões brasileiras

Doenças como a insuficiência cardíaca, a pneumonia, a tuberculose e a sepse ou infecção generalizada são responsáveis por 62% das mortes dentro das cadeias brasileiras. A taxa de detecção de tuberculose nas prisões é 30 vezes maior do que na população em liberdade. Já o risco de óbito por caquexia, ou enfraquecimento extremo, é 1.350% maior entre quem está na cadeia do que no restante da sociedade.

Doenças se propagam mais facilmente nas prisões e detentos envelhecem mais rápido

A morte natural das pessoas privadas de liberdade no Brasil é, na verdade, resultado de um longo processo de adoecimento, falta de assistência e definhamento. Estar em uma prisão piora os indicadores de saúde a longo prazo e acelera o envelhecimento dessas pessoas.

As prisões propiciam a disseminação de doenças devido às condições precárias de higiene. Durante a crise de Covid-19, as instituições penitenciárias interromperam atendimentos médicos e a distribuição de medicamentos. Com isso, houve aumento do número de pessoas desnutridas e de óbitos. O quadro é agravado pela falta da comida levada pelos familiares aos detentos, pois as visitas também foram suspensas.

Este cenário é abordado no levantamento “Letalidade prisional: uma questão de Justiça e saúde pública”, encomendado pelo Conselho Nacional de Justiça.

Conforme o estudo, as mortes causadas por ferimento de arma de fogo, por enforcamento indireto e agressão por objetos cortantes, penetrantes, perfurantes ou contundentes dentro das unidades prisionais chegam a 25% do total. Sozinhos, o estrangulamento ou sufocação indireta, a asfixia mecânica e as asfixias não especificadas representam 15% dos casos.

Mesmo após o retorno ao convívio social, o tempo médio de vida dos ex-detentos é de 548 dias. 28% dessas mortes ocorrem em eventos violentos.

Em síntese, a pesquisa mostra que, dentro das prisões no Brasil, morre-se muito, sabe-se pouco, registra-se quase nada, praticamente não se responsabiliza, tampouco se repara.

O relatório do CNJ revela indícios de subnotificações de mortes e aponta para a necessidade de aprimoramento da administração penitenciária, especialmente quanto aos serviços de saúde às pessoas sob custódia.

O documento recomenda 36 providências, dentre as quais estão ações coordenadas para a superação de violações de direitos humanos, como mobilização de juízes e tribunais para garantir medidas estratégicas.

Durante evento na última quinta-feira (11/5), o juiz Luís Lanfredi, auxiliar da Presidência do CNJ e coordenador Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), chamou a atenção para os danos causados às pessoas que se encontram em espaços prisionais.

“Temos números e dados que devem nos reorientar sobre a forma como o sistema prisional e o sistema de Justiça criminal devem funcionar. Não restam dúvidas sobre a letalidade do sistema prisional, não somente no risco à vida, mas também por sua capacidade de neutralizar a pessoa”, afirmou.

A pesquisa considerou mais de 112 mil casos, entre 2017 e 2021, nos quais houve a extinção de punibilidade por falecimento da pessoa custodiada. A coordenação acadêmica foi das professoras Maíra Rocha Machado e Natália Pires de Vasconcelos, respectivamente da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper).

A juíza Karen Luise Vilanova Batista de Souza, também auxiliar da Presidência do CNJ, destacou que as informações quanto à raça dos indivíduos durante a investigação policial, no processo judicial e na execução criminal, não convergem e não dialogam com a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por isso, não é possível traçar o perfil racial dos mortos em prisões, embora a maioria das pessoas encarceradas seja preta ou parda. Com informações da assessoria de imprensa do CNJ.

Consultor Júridico

Facebook
Twitter
LinkedIn
plugins premium WordPress

Entraremos em Contato

Deixe seu seu assunto para explicar melhor