A Ordem dos Advogados (OA) portuguesa quer tornar mais rígidas as regras para o exercício de advogados brasileiros no país europeu. Desde 2015 vigora um regime de reciprocidade em Portugal, que garante que advogados brasileiros não precisam de novos exames para exercer a profissão no país, garantida apenas pela aprovação na prova da OAB. As informações são do site português ECO.

Desde 2017 houve aumento de 428% de advogados brasileiros em Portugal

123RF

Os dados mais recentes mostram que cerca de 10% dos advogados que atuam em Portugal são brasileiros. Segundo a publicação, houve um aumento de 482% neste número em cerca de cinco anos; em 2017, havia 536 advogados brasileiros.

No último dia 7, presidentes das duas organizações (OA e OAB) se reuniram para tratar do assunto. Já na semana passada, o site da OA publicou um comunicado sobre a revisão da reciprocidade.

“De momento encontra-se em discussão entre as Ordens uma proposta de alteração do regime de reciprocidade que, por um lado, garanta os direitos, liberdades e garantias da sociedade portuguesa e brasileira, e, por outro, responda às necessidades apontadas pelos próprios profissionais que aqui se encontram inscritos”, diz o texto.

A ConJur procurou a OAB para comentar a reunião e as intenções da OA de restringir a atuação de advogados brasileiros em Portugal, mas ainda não obteve retorno. A reportagem será atualizada assim que houver posicionamento. 

Consultor Júridico