Terms & Conditions

We have Recently updated our Terms and Conditions. Please read and accept the terms and conditions in order to access the site

Current Version: 1

Privacy Policy

We have Recently updated our Privacy Policy. Please read and accept the Privacy Policy in order to access the site

Current Version: 1

Rios do Amaral: Nota sobre o cancelamento da distribuição no PJE

A instalação dos processos eletrônicos em todo o país é um fenômeno que cresce a cada dia. Em breve todas as unidades e varas judiciais de nosso território nacional darão adeus definitivamente ao papel.

Essa nova e moderna realidade traz a necessidade de tribunais e fóruns locais estabelecerem certa normatização peculiar a respeito do funcionamento dos processos eletrônicos, utilização e manutenção de seus sistemas e provedores de acesso.

Acontece que essa normatização levada a cabo por tribunais não poderá invadir a competência privativa da União para legislar sobre matéria processual, como adverte o Artigo 22, I, da Constituição.

Tomando como exemplo, o Código de Processo Civil prescreve como causa de cancelamento da distribuição quando a parte intimada na pessoa de seu advogado não realizar o pagamento das custas e despesas de ingresso em 15 dias (Artigo 290).

O CPC, sabiamente, não possui outra causa de cancelamento da distribuição. A atividade jurisdicional, consistente na entrega do bem da vida perseguido pelo cidadão, é ofício sagrado, um monopólio do Estado que dá sentido à sua promessa de promover e proteger a vida, a liberdade, a igualdade e a propriedade. Não se trata de um passatempo ou entretenimento. O cidadão espera o pronunciamento do Poder Judiciário, a sentença de mérito, seu trânsito em julgado e o cumprimento de sua prestação pelo devedor.

Destarte, tribunais locais não podem avançar sobre o CPC para ditar outras causas de cancelamento da distribuição de petições iniciais, seja por meio físico, seja por meio eletrônico. Física ou eletrônica, a petição inicial é uma coisa só, instituto de direito processual, assim como o processo, o agravo, a contestação, o recurso extraordinário e por aí vai, matéria legislativa privativa da União (Artigo 22, I, da CF88).

Assim, regras do CPC que consagram expressamente a primazia do julgamento de mérito, a emenda e a retificação de peças e atos processuais, a redistribuição e declinação de competência de ações, não poderão jamais ser recusadas em nome de normatização local que determina o imediato cancelamento da distribuição do peticionamento eletrônico por meio do PJE.

Por excelência, o Artigo 321 do CPC é firme e completo ao salvaguardar o jurisdicionado: “O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os requisitos dos Arts. 319 e 320 ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com precisão o que deve ser corrigido ou completado”.

Na hipótese de qualquer dificuldade do operador do Direito de manejar seu computador, os sofisticados e modernos sistemas de internet, vale sempre a lição do ministro Luís Roberto Barroso: “tem alguma criança na casa que possa lhe ajudar?”.

Consultor Júridico

Facebook
Twitter
LinkedIn
plugins premium WordPress

Entraremos em Contato

Deixe seu seu assunto para explicar melhor